Nextel: do auge à irrelevância e de volta ao jogo

Imagem retirada de https://www.startse.com/noticia/nova-economia/70308/nextel-transformacao-digital
Imagem retirada de https://www.startse.com/noticia/nova-economia/70308/nextel-transformacao-digital

A operadora de telefonia móvel Nextel entrou no Brasil no final da década de 1990 e popularizou-se com o recurso de conversa por rádio, que permitia comunicar-se de forma ilimitada, sem gastar com ligações. No entanto, a partir de 2011, a empresa perdeu mercado com a difusão dos aplicativos de chat, como o WhatsApp.

Após anos diminuindo sua relevância no mercado de telecomunicações, a trajetória da empresa começou a mudar com chegada do CEO Roberto Rittes, em 2017. Ele deu início a um processo de transformação na gestão dentro da Nextel.

Rittes é um dos palestrantes do RH Day 2019 da StartSe e explicou para mais de 3.500 pessoas os pontos que foram chave para reposicionar o empresa na liderança do mercado. A Nextel foi a operadora de telecomunicações que mais cresceu no país, no ano passado, de acordo com a Anatel.

Do modelo tradicional ao híbrido
Rittes entrou na Nextel e se deparou com modelos de gestão e remuneração tradicionais em grandes empresas. Funcionários eram avaliados por metas individuais em formato KPI, com periodicidade anual. A remuneração variável era baseada 70% na performance individual do colaborador, baseada nestes KPIs. Além disso, a organização era dividida em 110 gerências com pouca integração e multidisciplinaridade. Em relação à transformação da empresa, centenas de projetos foram desenvolvidos, mas a implementação era morosa. Veja os dados abaixo:

“Excessivo peso no KPI individual leva as pessoas a quererem atingir suas metas, mas sem pensar em gerar valor real para a empresa”, destaca o CEO da Nextel.

Após diversas fases de transição, testes, falhas e acertos, a Nextel encontrou um modelo híbrido. A solução foi unir modelos de gestão tradicionais, que são eficazes em uma empresa com cerca de 3000 funcionários, a estratégias comuns a startups, com foco em agilidade e metas em formato OKRs com duração trimestral. Veja como foi a organização adotada a partir de 2019:

"Em um mundo tão dinâmico, caótico e em transformação, o que é prioridade no ano anterior perde relevância muito rápido. Então, fomos de um modelo anual para um trimestral”, afirma Roberto Rittes.

Resultados
Após um período em baixa, a Nextel encontrou nas redes 3G e 4G um produto em crescimento no Brasil. Com a transformação cultural e organizacional, os resultados concretos apareceram e mostraram que a empresa estava no caminho certo.

A Nextel foi a empresa do setor de telecomunicações que mais cresceu no período entre maio de 2017 e de 2018 e alcançou a marca de 3 milhões de clientes. Além disso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) premiou a operadora como a melhor em satisfação e qualidade percebida pelos clientes em 2018.

Em setembro, foi anunciada a compra da Nextel pela Claro. A aquisição deve ser concretizada nos próximos seis meses, e deve criar novos desafios em gestão e cultura para Rittes e sua equipe.

Fonte: Startse, escrita por João Ortega

Pesquisar